Nintendo reprime vendedores de ferramentas de hacking do Switch |

Nos últimos 18 meses, os hackers fizeram um grande progresso na abertura do console Nintendo Switch para pirataria e software homebrew. A Nintendo vem reprimindo essas explorações com atualizações de software, mas a tática mais recente é levar as coisas ao tribunal.

No final da semana passada, a Nintendo entrou com dois processos contra empresas que vendem ou revendem hacks do Nintendo Switch. O primeiro processo tem como alvo o UBERchips, um site que vendia ferramentas de hackers para Switch criadas por um grupo chamado Team-Xecuter nos Estados Unidos e Canadá. O segundo processo nomeia vários réus de outros sites que tentam vender ferramentas de pirataria do Switch.



O produto em questão é conhecido como SX Core e SX Lite, um mod de hardware comprável que aqueles com experiência em tecnologia podem adicionar ao seu console Switch e evitar as proteções de segurança usuais da Nintendo. A partir daí, você pode inicializar jogos piratas do Switch usando um sistema operacional personalizado.

Esses kits foram programados para serem vendidos por menos de US$ 50. Como parte do processo, a Nintendo está buscando US$ 2.500 por violação em cada caso, além de uma liminar permanente para fechar esses sites para sempre. No momento, o UBERchips está inativo, com uma mensagem dizendo que um conjunto infeliz de eventos aconteceu.

Mods de hardware semelhantes causaram pirataria desenfreada para os consoles Nintendo DS e Nintendo 3DS no passado, então a Nintendo tentará reprimir as explorações do Switch desde o início para evitar afetar as vendas. Você pode encontrar o processo completo via Polygon, AQUI .

A Nintendo pode não ser capaz de identificar os criadores dessas ferramentas, mas será muito mais fácil fechar qualquer loja que tente vendê-las. Dado que os mods SX Core e SX Lite ainda não foram lançados oficialmente e estavam apenas em pré-venda, será interessante ver se alguém consegue colocar as mãos em um após essa repressão.